Brazil

English View in English

Por que os trabalhadores e sindicatos brasileiros se importam com o que está acontecendo no Mississippi?

photo_15_sharpA economia brasileira conseguiu evitar o pior da recente crise financeira mundial,  dentre outras razões, pelo fato de o país apoiar e dar respaldo a seus trabalhadores e sindicatos.

Sindicatos fortes são um dos fundamentos da economia brasileira, na medida em que trabalhadores organizados, entendem e lutam pelos seus direitos trabalhistas, aumentando sua renda e superando sua eventual situação de pobreza.

Porém, entendem os sindicatos brasileiros, que seus esforços para um sistema de produção mais justo não podem se restringir ao âmbito nacional, vez que, tratando-se de uma economia global, com empresas transnacionais, os problemas dos trabalhadores vão além das fronteiras de um país. Isto posto, somente uma atuação generalizada conseguirá dar êxito aos princípios defendidos pelos sindicatos.

A Nissan é a montadora que mais cresceu no Brasil nos últimos três anos, e está, atualmente, construindo uma nova fábrica em Resende, no estado do Rio de Janeiro. A empresa é patrocinadora da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. O Diretor-Presidente global da Nissan, Carlos Ghosn, é brasileiro.

Assim, diante tamanho envolvimento com o mercado brasileiro, os trabalhadores do Brasil precisam se assegurar de que a Nissan está respeitando os direitos dos trabalhadores em todo o mundo, inclusive no Mississippi.GROUP_SHOT_2_color_correct_web

Porém, não é esta a atitude que a Nissan vem tomando em relação a seus trabalhadores americanos.

Nesse sentido, os sindicatos brasileiros apoiam entusiasticamente seus colegas do Mississipi, para que estes tenham condições de realizar um processo eleitoral justo com vistas à formação de um sindicato, num ambiente em que se possa discutir o assunto no próprio local de trabalho, sem qualquer intimidação, retaliação individual ou ameaças implícitas de fechamento da fábrica por parte da empresa.

Em entrevista coletiva, os dirigentes das três maiores centrais sindicais do Brasil expressaram seu apoio aos trabalhadores da Nissan no Mississippi e assinaram uma carta endereçada à empresa instando-a a respeitar o Pacto Global da ONU e a Declaração da OIT sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho, e a acatar os Princípios do UAW para Eleições Sindicais Justas.

Page 1 of 2 | Next page